26/07/2023 às 11h43min - Atualizada em 31/07/2023 às 22h00min

Estudantes estrangeiros querem permanecer nos Estados Unidos para fazer pós-graduação.

Estudar nos Estados Unidos é uma experiência cultural e social rica, além de ser uma oportunidade de aprendizagem que não se consegue encontrar tão facilmente noutro lugar.

Samantha di Khali Comunica
Divulgação
Estudar nos Estados Unidos é uma experiência cultural e social rica, além de ser uma oportunidade de aprendizagem que não se consegue encontrar tão facilmente noutro lugar. O país oferece um cardápio completo de ensino superior que prepara os alunos para a vida após a faculdade.
O ensino nos EUA permite também aos alunos continuar a sua formação para além dos seus estudos, permitindo se aprimorar e especializar numa pós-graduação.
De acordo com a NAFSA, a Associação de Educadores Internacionais, quase um milhão de estudantes internacionais em faculdades e universidades dos EUA contribuíram com US $ 33.8 bilhões para a economia dos EUA durante o ano acadêmico de 2021-2022 - mais de US $ 5.5 bilhões (ou 19%) em comparação com o ano acadêmico anterior - e apoiaram mais de 335,000 empregos.
O visto voltado aos estudantes é o visto F-1, que permite aos estudantes admitidos em uma escola ou universidade americana aprovada pelo serviço de imigração, permanecer no país durante a duração do curso. Os estudantes não são autorizados a trabalhar e devem possuir fundos suficientes para se sustentar.
Porém, uma das peculiaridades deste visto é que os portadores do visto F-1, em alguns cursos específicos, podem trabalhar em empregos no campus durante seus estudos, geralmente com um limite de 20 horas por semana durante o período letivo e até 40 horas por semana durante as férias, é o que afirma a advogada de imigração Ingrid Domingues McConville. Em alguns casos, os estudantes F-1 também podem se qualificar para o Treinamento Prático Opcional (OPT) ou o Treinamento Prático Curricular (CPT), que permite trabalhar fora do campus em áreas relacionadas ao campo de estudo. No entanto, é importante notar que há restrições e requisitos específicos para o trabalho fora do campus.
Requerentes do visto F-1 tem que provar que eles têm laços com seu país de origem, ou seja, que irão voltar para casa depois que seu programa for completado. Alguns estudantes conseguem se formar e trabalhar nos Estados Unidos (através de empresa que patrocina com um visto de trabalho), porém a maioria tem que voltar ao seu país. Conseguir um emprego ou um visto de trabalho em certas especialidades é possível através de uma mudança de status, que pode ser habilmente conduzida por um bom advogado de imigração.
Segundo pesquisa realizada pela Interstride, estudantes estrangeiros gostariam de mais oportunidades de trabalho nos Estados Unidos após a formatura. O relatório identificou que 71% dos mais de mil estudantes entrevistados permaneceram nos Estados Unidos para trabalhar se as oportunidades de emprego após a graduação fossem melhores. Isso indica que, se os Estados Unidos ampliassem as possibilidades de estender a estadia após a graduação para trabalhar, o país conseguiria atrair e reter mais estudantes internacionais talentosos e qualificados.
Quão distópico é o status quo, dado que a nossa nação e a nossa economia beneficiam tremendamente dos estudantes não-cidadãos que frequentam as faculdades e universidades americanas, mas depois de os educarmos, expulsamo-los para outras nações com políticas de imigração mais acolhedoras. De acordo com a NAFSA, a Associação de Educadores Internacionais, quase um "milhão de estudantes internacionais em faculdades e universidades dos EUA contribuíram com US $ 33.8 bilhões para a economia dos EUA durante o ano acadêmico de 2021-2022 - mais de US $ 5.5 bilhões (ou 19%) em comparação com o ano acadêmico anterior - e apoiaram mais de 335,000 empregos.
O que é pior, não há como prever o quanto o sistema de imigração quebrado dos EUA prejudicará as futuras gerações de americanos ao ficar para trás no desenvolvimento de tecnologias avançadas, como a IA. A Fundação Nacional para a Política Americana pinta um quadro sombrio se perdermos esta população "ganhadora de cérebros": "Os imigrantes fundaram ou co-fundaram quase dois terços (65% ou 28 de 43) das principais empresas de IA nos Estados Unidos e 70% dos estudantes de pós-graduação a tempo inteiro em áreas relacionadas com a inteligência artificial são estudantes internacionais. Setenta e sete por cento das principais empresas de IA sediadas nos Estados Unidos foram fundadas ou co-fundadas por imigrantes ou filhos de imigrantes. Quarenta e dois por cento (18 de 43) das principais empresas de IA sediadas nos EUA tiveram um fundador que veio para a América como estudante internacional."
Quer ter mais informações entre no   https://instagram.com/dmvisalaw?igshid=YmMyMTA2M2Y=
 * Ingrid Domingues-McConville fundou a DM VISA LAW - Domingues McConville, P.A. em 1995.  É membro da Ordem dos Advogados da Flórida desde 1995 e membro do Tribunal Distrital dos Estados Unidos, Distrito Sul da Flórida.  Ingrid obteve seu diploma de graduação em Psicologia pela Universidade de Miami em Coral Gables, Flórida e seu diploma de Direito pela Cleveland-Marshall College of Law em Cleveland, Ohio. Com mais de 28 anos de experiência em Direito de Imigração, Ingrid representou clientes em todo os Estados Unidos e no mundo, tanto em questões de imigração empresarial quanto familiar.  Ajudou empresas e indivíduos a obterem vistos e residência permanente nos Estados Unidos. Ingrid desempenha um papel de liderança significativo na comunidade brasileira no sul da Flórida e em todos os Estados Unidos, fornecendo orientação e aconselhamento jurídicos muito necessários.
 

 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://jornaldobelem.com.br/.
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp