24/08/2023 às 13h41min - Atualizada em 27/08/2023 às 08h09min

Trombose e Covid-19: médica hematologista explica a relação

Infecção de Covid-19 favorece formação de coágulos sanguíneos, podendo causar complicações graves; médica hematologista e pesquisadora da Fundação Oswaldo Cruz responde perguntas sobre o tema

XCOM
Freepik

São Paulo, 24 de agosto de 2023 – A trombose é uma doença que ocorre quando ocorre a formação de um coágulo sanguíneo, que bloqueia o fluxo de sangue, causando dor e inchaço na região afetada. Por se tratar de uma doença perigosa, que pode causar complicações graves, profissionais de saúde promovem anualmente, no dia 13 de outubro, o Dia Mundial de Trombose, para alertar e conscientizar a população. Desde 2020 e da pandemia de Covid-19, a formação de coágulos sanguíneos tem sido apontada como umas das complicações mais preocupantes causadas pela infecção. Com o objetivo de esclarecer dúvidas sobre a ocorrência de trombose em pacientes com Covid-19, ou aqueles que já tiveram a doença, a Dra. Daniela Palheiro, médica hematologista e pesquisadora da Fundação Oswaldo Cruz, responde perguntas sobre o tema, incluindo causas, medidas de prevenção e tratamento. 

Como a Covid-19 está associada ao aumento do risco de trombose em pacientes? 

O aumento do risco de trombose se dá por diversas causas, como inflamação sistêmica. A Covid-19 pode desencadear uma resposta inflamatória excessiva no corpo, conhecida como "tempestade de citocinas", afetando a função do sistema de coagulação e favorecendo a formação de coágulos. Os coágulos sanguíneos, também chamados de trombos, prejudicam a circulação, podendo levar a complicações graves, como ataques cardíacos, derrames e embolia pulmonar. Outro fator importante é a lesão endotelial causada pelo vírus nas células que revestem os vasos sanguíneos, o que também favorece a formação de coágulos.  

Quais grupos de pacientes com Covid-19 têm um risco particularmente elevado de trombose?  

Pacientes hospitalizados em estado grave apresentam risco mais elevado de desenvolver trombose, devido a vários fatores, incluindo inflamação, imobilização prolongada, intervenções médicas invasivas e maior exposição a fatores de risco. Além disso, pacientes com doenças cardiovasculares pré-existentes, como doença cardíaca coronária, hipertensão arterial e insuficiência cardíaca, e pacientes com comorbidades, como diabetes, obesidade e neoplasias, idosos e mulheres grávidas também estão entre os grupos de risco. 

Quais são os sintomas de trombose que os pacientes com Covid-19 ou que já tiveram a doença devem ficar atentos? 

Os sintomas de trombose variam dependendo do local onde o coágulo sanguíneo se forma. É importante observar que os sintomas de trombose em pacientes com Covid-19 ou em pessoas que já tiveram a doença são semelhantes aos sintomas de trombose em outras situações. Quadros de trombose venosa profunda (TVP) nas veias das pernas ou braços podem levar a inchaço, dor ou sensibilidade, vermelhidão, ou sensação de calor na área afetada. No caso da embolia pulmonar (EP), que ocorre quando um coágulo é transportado até os pulmões por meio da circulação, os sintomas podem ser súbitos e graves, como falta de ar intensa, dor no peito, tosse com sangue e batimento cardíaco acelerado.  

Quais são as medidas de prevenção adotadas em pacientes com Covid-19 para evitar o risco de trombose?  

Durante a pandemia, muitos hospitais adotaram protocolos de anticoagulação profilática para pacientes hospitalizados com Covid-19, especialmente aqueles em estado grave, incluindo a administração de doses baixas de anticoagulantes, como heparina de baixo peso molecular, para reduzir o risco de formação de coágulos. Em casos de pacientes que não podiam receber heparina, dispositivos de compressão pneumática intermitente eram usados para ajudar a prevenir a formação de coágulos em pacientes com Covid-19 que estavam imobilizados ou tinham risco elevado de trombose. Além disso, os profissionais de saúde avaliam o risco de trombose em paciente com Covid-19, com base em fatores como idade, histórico médico, gravidade da doença e presença de outras comorbidades. Pacientes de alto risco para trombose podem precisar de profilaxia após a alta hospitalar. 

Como é feito o tratamento de pacientes com Covid-19 que desenvolvem trombose?  

O tratamento padrão para a trombose envolve o uso de anticoagulantes, como heparina de baixo peso molecular, ou anticoagulantes orais diretos por 3 a 6 meses. Durante a COVID-19 uso de antagonistas de vitamina K é dificultado por interações com outros medicamentos, que podem interferir na eficácia e segurança, por isso em geral não são a primeira escolha. Os anticoagulantes ajudam a prevenir a formação de coágulos adicionais e reduzem o risco de complicações pós-trombóticas. Além do tratamento específico da trombose, os pacientes podem precisar de oxigênio suplementar, tratamento direcionado para complicações respiratórias ou cardiovasculares associadas à doença.  

Os pacientes que se recuperaram da Covid-19 ainda apresentam risco elevado de trombose após a infecção aguda?  

Pacientes com Covid-19 com complicações tromboembólicas têm maior risco de morte e podem ter a qualidade de vida afetada negativamente mesmo após a recuperação. Além disso, dados recentes relatam que o risco de tromboembolismo permanece alto até seis meses após a infecção por Covid-19. Pesquisas estão em andamento para estudar o risco de trombose a longo prazo em pacientes que tiveram Covid-19.  

Quais são as recomendações para o acompanhamento a longo prazo de pacientes com histórico de trombose relacionada à Covid-19?  

Os pacientes que sofreram trombose relacionada à Covid-19 devem continuar a fazer visitas médicas regulares para monitorar sua saúde cardiovascular. Durante as consultas, o médico pode fornecer orientações sobre tratamento e prevenção de tromboses e suas consequências. Uma medida importante para evitar a síndrome pós-trombótica em pacientes com histórico de TVP é o uso de meias elásticas de média compressão. Esta é uma medida simples que diminui sintomas como dor crônica, edema, alterações na colocação da pele, veias varicosas e úlceras no membro. Exames de sangue e imagem periódicos também podem ser realizados para monitorar a saúde dos pacientes. A adoção de um estilo de vida saudável, incluindo dieta equilibrada, atividade física regular, abstenção do tabaco e do álcool em excesso, podem ajudar a reduzir o risco de trombose e melhorar a saúde cardiovascular. 

Há alguma relação entre a vacina de Covid-19 e casos de trombose? 

As vacinas para Covid-19 Astrazeneca e Janssen que usam adenovírus foram relacionadas a um fenômeno muito raro de trombose com trombocitopenia após a primeira dose, também conhecido como VITT, de causa completamente diferente das tromboses usuais. A doença se desenvolve a partir da produção de anticorpos que podem levar a trombose em lugares incomuns, como vasos cerebrais e abdominais até 30 dias depois da vacinação. No entanto, no início da campanha de vacinação em 2021, estudos mostraram que o risco de desenvolver trombose após tomar a vacina era muito menor que após contrair Covid-19. As vacinas desempenharam papel crucial na redução da mortalidade e dos casos graves de Covid-19 no Brasil e no mundo. Em relação ao risco de desenvolver trombose após vacinação, os trabalhos não mostraram risco aumentado, mesmo após vacinas de RNA bivalentes para Covid-19, usadas atualmente. Vale ressaltar que pacientes que já tiveram trombose por outros motivos não tem risco aumentado para desenvolverem VITT, e, portanto, não apresentam contraindicação para vacinação. 

 

Sobre o Dia Mundial da Trombose – No dia 13 de outubro é lembrado o Dia Mundial da Trombose, que tem como objetivo aumentar a consciência sobre a trombose entre profissionais da saúde, pacientes e entidades do governo e do terceiro setor. No entanto, devemos estar em alerta para essa afecção todos os dias. Em âmbito global, a campanha desta efeméride é liderada pela Sociedade Internacional de Trombose e Hemostasia (ISTH, na sigla em inglês) e, no Brasil, por entidades médicas, entre as quais se destaca a Sociedade Brasileira de Trombose e Hemostasia (SBTH). Para saber mais, acesse o site do Dia Mundial da Trombose e também o site da SBTH.  

 


Este conteúdo foi distribuído pela plataforma SALA DA NOTÍCIA e elaborado/criado pelo Assessor(a):
U | U
U


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://jornaldobelem.com.br/.
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp