30/08/2023 às 13h18min - Atualizada em 31/08/2023 às 08h14min

O mundo virtual do metaverso está adentrando a rotina de trabalho

Por David de Freitas Neto, cofundador e Enterprise Sales Executive da Zeev*

Redação
PinePR (pinepr.com)
DIVULGAÇÃO / Zeev

O metaverso é uma realidade virtual, onde as pessoas podem interagir através de avatares. Ele tem ganhado cada vez mais visibilidade, não só no mundo dos games e entretenimento, mas se faz presente e relevante também no mundo empresarial, prometendo impactar diretamente a rotina de trabalho em um futuro próximo.

Ele levanta altas expectativas e já começa a ser usado por empresas, visando garantir mais produtividade e mudando a forma de comunicação, operação de máquinas e muito mais. Entenda como a experiência de trabalho passará por alterações com essa nova realidade virtual.

Essa nova realidade oferece uma experiência imersiva onde é possível visitar lojas, realizar compras, realizar reuniões virtuais, andar por dentro de uma casa nova para já ver como ela ficará antes mesmo de qualquer tijolo ser colocado, se entreter com jogos e outras centenas de possibilidades que ainda estão em desenvolvimento. Por meio do uso de óculos RV e outros equipamentos de realidade virtual que permitem a integração de ações no mundo real ao virtual, a tecnologia possibilita que as ações sejam infinitas, oportunizando sua integração com máquinas e equipamentos usados no mundo real.

Na rotina de trabalho das empresas, o uso do metaverso promete impactar diretamente o modo das pessoas executarem suas funções e também cria o conceito do Home Office 2.0, onde colaboradores podem interagir à distância, mudando relações no trabalho. Isso envolve a presença das pessoas em escritórios no mundo virtual através de aplicativos que já estão sendo testados, possibilitando que os avatares interajam em reuniões usando fones e os óculos de realidade virtual.

Essa tendência de anywhere work, ou trabalho de qualquer lugar, se intensificou ainda mais com a pandemia de Covid-19, que forçou as pessoas a se isolarem socialmente, dando força e visibilidade para investimentos no metaverso pelas empresas. Pois, muitas delas passaram a adotar o modelo de trabalho híbrido. Assim, tem sido encarada como uma alternativa aos sentimentos de isolamento e problemas psicológicos resultantes de pessoas que não interagem fisicamente com outros durante longas horas de trabalho em casa.

Nos recursos humanos o impacto também é evidente, já que o metaverso possibilita realizar entrevistas, processos demissionais e encontrar talentos que residem em regiões distantes. Assim, distâncias são eliminadas através do mundo digital, possibilitando interações na rotina de trabalho para criar contato próximo com colegas de trabalho, clientes e até consumidores.

Novas tecnologias também têm sido desenvolvidas para interagirem com o metaverso em diferentes campos. Isso pode ser visto com a possibilidade de cirurgiões que conseguem realizar operações com mais precisão nos procedimentos, ou ainda sem estarem na sala de cirurgia. Equipamentos integrados à internet permitem que os médicos operem robôs à distância, evitando deslocamentos, seja em outra cidade ou país. Essa forma de trabalho também se aplica à indústria, que busca soluções no metaverso para criar uma rotina de trabalho livre de acidentes. Retirando colaboradores de ambientes de exposição, que possam ter substâncias nocivas à saúde.

O prognóstico de investimento no metaverso pelas empresas, incluindo as pequenas e médias, tem previsão de rondar os 13 trilhões de dólares até 2030, mostrando a força que essa nova realidade virtual trará para as rotinas de trabalho. Ainda que pareça uma realidade distante, já existem empresas, como a americana Republic Realm, que negociou US$ 4,3 milhões em terrenos digitais, um tipo de ativo imobiliário no mundo virtual.

Com tantos benefícios ainda a serem explorados, o metaverso promete ser uma das maiores tendências na mudança da forma e rotina de trabalho nas próximas décadas, sendo um campo relevante que merece a atenção de empresários e empreendedores. Contudo, sabemos que ainda existem muitos desafios para que o metaverso se torne popular, tais como: equipamentos caros para acessar os ambientes virtuais e velocidade dos provedores de internet. A realidade é que ele está em constante crescimento e que, em um curto período de tempo, ele se tornará presente na rotina de muitas pessoas.


*Com 25 anos de experiência em TI e  Processos, David de Freitas Neto é Co-founder e Enterprise Sales Executive na Zeev. Ele possui pós-graduação em IA pela I2A2, além de Gestão de Projetos, extensão em Estratégia Negócios e CA Certificado CBPP. Neto já atuou em projetos de diversos portes, em clientes de diversos segmentos, como Citi, Bradesco, Itaú, Santander, Atento, BMG, Brasilprev, Unimed, Banco de Tokyo-Mitsubishi, Interfile, Cadburry Adams / Kraft, Unimed, Chubb, Avis, JHSF, Orizon, Secretaria da Fazenda, Tokio Marine, entre muitos outros.


Este conteúdo foi distribuído pela plataforma SALA DA NOTÍCIA e elaborado/criado pelo Assessor(a):
U | U
U


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://jornaldobelem.com.br/.
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp