16/04/2024 às 15h30min - Atualizada em 17/04/2024 às 00h04min

Como as ondas de calor estão afetando os animais marinhos?

Aumento da temperatura global impacta diretamente o funcionamento dos oceanos e, por consequência, a vida marinha

a
(crédito: divulgação istock)

Os oceanos desempenham um papel fundamental na regulação do planeta, atuando no controle climático e na produção de oxigênio. Também por isso são bastante sensíveis às mudanças negativas que o planeta vem sofrendo nos últimos anos, em especial as chamadas ondas de calor. 

Nesse sentido, o que tem preocupado os especialistas é o aumento progressivo das temperaturas oceânicas, que vem, a cada ano, batendo novos recordes. Por exemplo, a água do Golfo do Alasca obteve um ganho de temperatura, a partir do final de 2013, atingindo em poucos meses 2°C acima do normal. Isso desencadeou um desequilíbrio no ecossistema marinho, ocasionando a morte de plânctons, crustáceos, entre outros animais, e, por fim, um colapso.

O que são ondas de calor marinhas e como afetam a vida marinha?

Antes de mais nada, é necessário entender o que é esse fenômeno para, então, compreender a dimensão de seu impacto na vida marinha. As ondas de calor marinhas definem-se como um período no qual há um aumento superior a 90% da temperatura do mar por pelo menos cinco dias consecutivos, podendo durar meses ou até anos.

Isso, na prática, representa uma forte ameaça ao ecossistema, pois, ao aumentar a temperatura, possibilita-se a proliferação de espécies invasoras e predadoras, matando as espécies nativas da região, o que causa um desequilíbrio na cadeia animal. Por conseguinte, os corais também são afetados, uma vez que favorecem o embranquecimento deles, devido à perda da relação mutualística com as zooxantelas. 

Ainda nessa relação de desequilíbrio, as ondas de calor marinhas podem criar um ambiente propício para uma superpopulação de algumas espécies, como o zooplâncton gelatinoso, que aumenta a competição por alimento e território. Toda essa conjuntura atinge não apenas a vida marinha de base, como também chega ao topo da cadeia alimentar, como peixes e mamíferos aquáticos, que perdem o amplo acesso ao alimento, e, por fim, impacta as atividades humanas relacionadas à pesca, pesquisa, entre outras.

Quais estudos já foram feitos acerca do assunto?

Vários profissionais de diversas áreas, entre elas biomedicina, biologia e engenharia ambiental, têm se juntado para estudar os crescentes casos de ondas de calor marinhas e medir possíveis contenções de danos ao meio ambiente. 

Alguns estudos, como o feito na Revista Nature Communications, analisaram, por exemplo, as consequências provocadas pelas ondas de calor no nordeste do Oceano Pacífico. O estudo comprovou a criação de fortes perturbações na cadeia alimentar e no ecossistema marinho, devido ao aumento das temperaturas.

Outros eventos, como os ocorridos na Tasmânia e no Chile, também foram objetos de estudo interessantes para entender melhor o comportamento desses fenômenos e de que forma eles podem afetar a vida marinha, seja criando uma superpopulação ou extinguindo espécies locais.

Certo é que esses eventos têm sido observados cada vez mais nos últimos anos, sendo necessário que haja uma intervenção imediata e eficaz para reduzir os danos tanto sobre a vida marinha quanto sobre a própria existência humana. Isso porque todos os sistemas do planeta estão interligados, e, caso haja uma desarmonia em alguma parte, cedo ou tarde, os demais também irão sentir os efeitos.


 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://jornaldobelem.com.br/.
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp