19/04/2023 às 09h44min - Atualizada em 23/04/2023 às 00h04min

Tupis encaram nesta quinta a 1ª etapa do circuito de acesso à elite mundial do rugby sevens

Entre os dias 20 e 22 de abril, a Seleção Brasileira Masculina de Rugby Sevens joga em Stellenbosch, na África do Sul, a 1ª etapa do World Rugby Sevens Challenger

SALA DA NOTÍCIA Marcelo Abdalla Ribeiro
World Rugby

A Seleção Brasileira Masculina de Rugby Sevens, gerenciada pela CBRu (Confederação Brasileira de Rugby), começa a sua jornada na busca por um lugar na elite do Circuito Mundial para a temporada 2023-24. Entre a quinta-feira (20) até sábado (22), Stellenbosch, próxima à Cidade do Sul (África do Sul), recebe a 1ª etapa do World Rugby Sevens Challenger, o circuito da 2ª divisão mundial, com o Brasil entre as 12 seleções masculinas que buscam a promoção.

 

 

Os jogos serão no Markötter Stadium e ainda não foi confirmada a transmissão do evento.

 

 

Como funciona a promoção à 1ª divisão?

O World Rugby Sevens Challenger conta com duas etapas, ambos em Stellenbosch – sendo a primeira nos dias 20 a 22 e a segunda entre 28 e 30 de abril. O campeão do circuito, na somatória das duas etapas, garante vaga no torneio de acesso entre os dias 20 e 21 de maio, em Londres, Inglaterra, onde enfrentará as equipes classificadas em 12º, 13º e 14º lugares na 1ª divisão mundial. Será um quadrangular valendo uma última vaga na 1ª divisão de 2023-24. No momento, a 1ª divisão conta com 15 seleções, mas será reduzida para 12. Por isso, não haverá promoção direta ao campeão do Challenger.

 

 

Tupis de olho nas quartas de final

As 12 seleções foram divididas em 3 grupos com 4 times cada, sendo que, os 2 primeiros colocados de cada grupo e os 2 melhores 3º colocados avançam às quartas de final. O Brasil está no grupo C ao lado de Uganda, Coreia do Sul e Jamaica com fortes chances de avançar. Na história, os Tupis enfrentaram duas vezes a Jamaica, com um triunfo para cada lado, ao passo que contra Uganda foi apenas um jogo na história, em 2020, com triunfo africano por 19 a 12. A Jamaica ficou em 10º lugar e Uganda em 6º lugar geral no Challenger do ano passado, que não teve participação brasileira e foi conquistado pelo Uruguai. A Coreia do Sul será adversário inédito para os brasileiros e chega com a experiência de ter jogado os Jogos Olímpicos de Tóquio, terminando em último.

 

 

Para buscar um grande resultado na África do Sul, os Tupis montaram uma equipe mesclando jogadores experientes, como Laurent Bourda-Couhet, hoje no Barcelona, da Espanha, e Gustavo “Rambo” Albuquerque, ambos remanescentes do time brasileiro que disputou o Rio 2016, com nomes ascendentes, como o capitão Robson “Varejão” Morais, atleta do Pasteur e dos Cobras (que jogam o Super Rugby Américas, a liga profissional do continente), Aramis Padilla e Alison Crispin, que defenderam no ano passado a Seleção Brasileira M20. O treinador Lucas “Tanque” Duque, que também jogou pelo Brasil no Rio 2016, ainda apostou em nomes vindos do exterior, como Lorenzo Massari, radicado no rugby italiano, e o novato Dominic Oliveira, que joga no rugby universitário dos Estados Unidos, além de Laurent. Matheus Cruz e Lucas Drudi ainda completam a lista de nomes mais rodados, ambos campeões brasileiros no último ano com o Jacareí.

 

 

Sobre seu retorno à seleção, Rambo contou que “durante toda a minha carreira na seleção joguei ao lado do Tanque e agora é incrível ser treinado por ele. Estou muito feliz porque vejo ele trazendo coisas novas para os treinos. Os jovens que estavam desde o ano passado na seleção estão jogando muito bem e será um desafio. A sensação de estar com essa molecada é boa demais, estou muito feliz e parece até a minha primeira vez. Lembrei de todas as outras minhas convocações”. Aos 31 anos, Rambo, do São José, mas oriundo de Curitiba, já jogou 41 torneios pelo Brasil e se mostrou confiante: “temos tudo para bater de frente com qualquer time e os treinos estão sendo muito bons. Chegamos já a treinar com Bélgica e Tonga e sei que podemos ter um bom resultado”.

 

 

No Grupo A estão Tonga, que é tida como favorita neste ano após boa campanha como convidada na 1ª divisão, Alemanha, semifinalista de 2022, Zimbábue, que alcançou as quartas de final do ano passado, e Bélgica, que substitui a vice-campeã de 2022, a Geórgia. Já no Grupo B estão Chile, semifinalista de 2022, Hong Kong China, que chegou às quartas de final e é tradicional; Papua Nova Guiné e a promissora Itália.

 

 

Brasil representado também na arbitragem

O Brasil também contará com um árbitro na competição. É Cauã Ricardo, que apita pelo segundo ano seguido o World Rugby Sevens Challenger. O árbitro também faz parte do plantel do Super Rugby Américas.

 

 

Sul-Americanas de olho na promoção no feminino

Junto do torneio masculino, o World Rugby Sevens Challenger também contará com disputas femininas, igualmente com 12 seleções. O Brasil não estará no evento por já ter vaga na próxima edição da 1ª divisão. Colômbia e Paraguai são as representantes sul-americanas no torneio em Stellenbosch e, ao contrário do masculino, no feminina a seleção campeã da 2ª divisão após 2 etapas será diretamente promovida.

 

 

 

Confira mais informações

 

https://brasilrugby.com.br/2023/04/18/tupis-encaram-nessa-quinta-a-1a-etapa-do-circuito-de-acesso-a-elite-mundial-do-rugby-sevens/

 

 

Grupos

Grupo A: Alemanha, Tonga, Zimbábue e Bélgica

 

Grupo B: Chile, Hong Kong China, Papua Nova Guiné e Itália

 

Grupo C: Uganda, Coreia do Sul, Brasil e Jamaica

 

 

 

Jogos do Brasil

*Horários de Brasília

 

 

Quinta-feira, dia 20 de abril

Das 05h06 às 10h05

05h28 Brasil x Uganda

08h10 Brasil x Coreia do Sul

 

 

Sexta-feira, dia 21 de abril

Das 05h16 às 11h05

05h16 Brasil x Jamaica

+ Quartas de final e Semifinais de 9º lugar

 

 

Sábado, dia 22 de abril

Das 04h00 às 09h25

Semifinais e Finais

 

 

Sobre a Confederação Brasileira de Rugby (CBRu)

A CBRu tem o apoio do Comitê Olímpico do Brasil e do Ministério do Esporte e como

patrocinadores: Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), TIM, Estácio, Deloitte, Alupar Taesa, Comgás, Cultura Inglesa, Pinheiro Neto Advogados e Crown Embalagens. Também são fornecedores e apoiadores do rugby brasileiro: Gerdau, Atlas Schindler, Gilbert, CVC Capital Partners e Universal Assistance. A franquia Cobras Brasil XV, marca criada e gerenciada pela CBRu para a disputa da Super Rugby Américas, também é apoiada por Superbid, CSN, Irko Hirashima e Universal Assistance. www.brasilrugby.com.br / @BrasilRugby / @cobrasbrasilxv (Instagram, Facebook, Twitter, LinkedIn e You Tube).

 


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://jornaldobelem.com.br/.
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp